Dia de beauté

Porque quase nada é tão legal quanto maquiagem

Arquivo para fevereiro, 2008

Colírio

Outro dia coloquei aqui a triste foto de Kylie Minogue totalmente deformada por conta das plásticas. Hoje, para alegrar (mesmo) a sexta-feira, uma foto de Demi Moore. Por quê? Porque ela, mesmo tendo feito várias e assumidas plásticas, continua lindíssima.

Vocês não acham? Coloquei a foto “aumentável” pra enxergar todos os detalhes!

Demi Moore

Fora que a maquiagem é bela, com sobrancelhas bem desenhadas, olho quase sem make mas com cílios postiços e batonzão vermelho, e o cabelo também ficou ótemo.

Tirando maquiagem

Olha só que pertinente, a Cláudia deixou uma pergunta sobre demaquiantes e esse assunto estava mesmo na minha listinha de posts pendentes (sim, eu tenho uma e ela mais cresce do que diminui).

Bom, eu amo amo amo amo o Bi Facil da Lancôme. Tudo bem que nunca testei todos os demaquiantes de olho do mundo, mas ele ganha de todos os que testei. Nem perguntem quais são porque eu nem lembro mais. Uso o Bi Facil há anos, já estou no terceiro (o que pra mim é um monte, by the way). Ele é eficiente, um pouquinho oleoso mas parece que deixa os cílios mais tratados sabe?

A segunda coisa que tenho pra falar é sobre um jeito muito prático de tirar rímel. Você entra no chuveiro, molha de leve o rosto mas sem fazer meleca. Aí pega o dedo indicador e o polegar e vai tirando assim mesmo, como se estivesse puxando os cílios. Tem que fazer uma leve fricção mas é ótemo. Tira o excesso e, o bônus, você não sai do chuveiro com aquela cara super assustadora de tinta preta borrada.

Para as maquiagens mais teimosas e persistentes, vale começar com a dica do chuveiro, passar para o Bi Facil com algodão e depois com cotonete. Isso deixa o olho assim como se nunca tivesse visto um lápis.

Maldita!

Tem coisa mais irritante do que espinha? Eu respondo: não tem. Pra mim sempre acontece igual, eu noto um vermelhinho, sinto uma dorzinha no lugar e sei que lá vem drama. Minha pele é boa, só que quando eu tenho espinha tenho da interna, aquela infernal porque dói, é um saco, sem contar que fica aquele calombo no rosto (é, porque dá pra esconder a cor, mas o volume meu bem, fica lá).

Como vocês bem podem imaginar, fui atacada por uma nesta manhã – na verdade eu já esperava por ela desde ontem. Bom, o que fazer? Vou contar uma coisa mas vocês têm que prometer que não vão sair por aí tentando (quer dizer, eu não me responsabilizo). Eu descobri, depois de anos lutando contra a ocasional espinha interna, que PARA MIM (notem bem essa parte) o que mais faz a espinha sarar é passar uma gota de Nutraplus em cima, bem em cima. Nutraplus é um creme com 10% de uréia, superindicado para hidratar cotovelos e calcanhares secos. Sacaram o nível da coisa? Pois é. Porque ele cicatriza o meu problema, ou no máximo faz ele sair da fase interna e aí eu posso “operar”(tá, outra parte que eu tô contando mas não to indicando hein?) É que eu não acredito que a espinha, uma vez nascida, vá sumir, pra mim só espremendo mesmo). E aí depois de operar eu continuo com o Nutraplus e ela sara “rapidinho” (para uma espinha, nunca é rápido o suficiente).

Uma coisa é certa: pelo menos para a aparência da pele, quando for esconder a maldita, é melhor passar um hidratante leve se você estiver usando um secante megapotente. Porque quando passa o corretivo dá pra ver aquela superfície toda craquelada e descamando.

Outra: vocês têm conselhos esquisitos tipo este? Alguma coisa que funciona com vocês mas não dá para indicar para (quase) ninguém? Contem! Vai que nesse (quase) não tem alguém que acha que a coisa funciona?

Querem rir?

Então vão olhar o post que minha querida amiga e colega Ivi Ivánova fez no Vodca falando das atrizes no Oscar e seus rostinhos angelicais. Tá muito bom!!

E um dia quem sabe eu não faço uma curadoria makes do Oscar né porque apesar de tudo dá pra tirar boas idéias.

Já que falei no lencinho…

Um ótimo exemplo da depressão de nosso mercado interno de lenços de papel. Olha a QUANTIDADE de opções numa farmácia em NY. E isso era só Kleenex! É rir pra não chorar!!!!!

Hehe

Lencinhos

Organizando

Atendendo a pedidos, vou mostrar como organizo minhas maquiagens e etc. Para começo de conversa, li quando era menor que o vapor do banheiro não faz bem para os produtos, por isso sempre guardei as coisas no quarto. E também porque prefiro mesmo me arrumar no quarto, até o babyliss tem morado dentro do armário. Tenho uma penteadeira onde ficam todos os cremes e um pequeno gaveteiro para coisas como pinça, lipbalms, cílios postiços. Dela, sai uma prateleira que você puxa, onde ficam as maquiagens.

Uma ótima dica é ir nessas lojas de coisas para a casa e comprar aquelas caixas de guardar talheres. Elas têm ótimas divisórias para organizar os produtinhos. Eu sou um pouco obcecada por caixas, tenho aflição de deixar tudo jogado e bagunçado, até porque é bem pior para encontrar as coisas depois. Então nessa prateleira móvel tenho uma caixona de talheres e outra caixa de vidro, com tudo de make. Embaixo da penteadeira, tenho uma enorme branca com todas as várias nécessaires, que eu amo e nunca tenho suficiente. Na caixa fofa da minha sapatilha Repetto, que é preta e rosa por dentro, guardo os estoques de cotonete, algodão, papel yes, etc.

Algumas fotos ilustrativas, clique para aumentar:
Arrumação   Cremes   Gaveteiro   Make   Pele   Arrumação
Na ordem: penteadeira, cremes, gaveteiro, makes, bases e pós, penteadeira de novo.

Como vocês podem ver, os cremes são o mais “bagunça-organizada”. Eu amo essa embalagem de papel yes, de caixinha, e o desenho do Puff natalino não é um amor? Mas ela é muito prática e eu acho o papel Kleenex o mais macio. Na caixa de make vocês podem notar que são dois andares, para caber mais coisa. Outro dia mostro o banheiro.

Situação-limite

Outro dia me vi na pior das situações. Depois de um longo dia de trabalho, meu namorado resolve me levar em um jantar x e eu tinha saído de casa (na longínqua manhã) sem NENHUMA maquiagem. E tinha comigo apenas um corretivo.

Eu carrego na bolsa uma necessáire com blush e rimel miniatura para mega emergências, além de sair de casa com outras coisas adequadas ao make do dia, só que a bendita não estava comigo e muito menos o resto.

Da muita raiva né, pensar em todas as suas maquiagens bobeando em casa e você desesperada por um mísero rimel. Bom, como me virei? Pelo menos consegui esconder as olheiras, o que já melhora bastante. Também adoro passar corretivo na boca. Aí encontrei no carro um rimel marrom super remoto que eu nem sabia que tinha, passei um monte em cima e dei uma borradinha em baixo pra definir o olhar. E fiquei beliscando a bochecha!

Moral da história: nunca saia desprevinida e tenha sempre um rimel remoto no carro.

Tks amigos!

Queria deixar aqui um agradecimento aos amigos que falaram do Dia de Beauté por aí! A Marcelona, do site da Erika Palomino, colocou em sua coluna de blogs semanais, dá para ver aqui. E outro dia a Maíra, que é do Freak Style mas faz frila pra Joyce (ha brincadeirinha!) falou do blog em sua coluna no Glamurama Pop, a Modinhas, mas o link sumiu pra sempre. Ah e aproveitando pra agradecer Ale Garattoni e Jeff por falar no site da Rg Vogue – faz tempo, mas eu nunca agradeci publicamente!

Brigada amigos, isso foi fundamental para o crescimento do blog, mesmo.

Mais compras, cabelo e corpo

Não acabou! Aí na fotinho abaixo, minhas contidas compras de cabelo e corpo.
NY cabelo e corpo
Leave-in para cachos da Redken Fresh Curls Spring Mousse. Como bem diz o nome, é uma mousse, e eu adorei porque consta na embalagem que controla o frizz e a umidade, muito apropriado. Já usei e pareceu bom. Ao lado, Laminates Curl da Sebastian, já tinha usado uma vez o de uma amiga (Marthinha é você!!) e adorei, então comprei. Detalhe, achei na farmácia, acho que aqui só em lojas especializadas e cabeleireiros.
Pro corpo, o maravilhoso e cheiroso Energizing Body Wash da Space NK, aquela loja muito legal que falei (no Chic acho). É todo aromaterapêutico e diz que energiza. Para terminar, o Moisturinse da Olay, um body wash pra pessoas preguiçosas porque é superhidratante. Funciona mesmo!

Uma reflexão

Em Nova York, pensei muito na relação das pessoas com maquiagem e comparei com o Brasil. Na minha opinião, o panorama não é dos melhores… Quem viaja sabe o quanto é fácil encontrar maquiagem em todo canto. No Brasil é fácil? Não, e olha que eu moro em SP. Por que não? Compare com NY, onde em cada esquina tem uma farmácia gigante com 30 mil opções de marcas por preços muito baixos. Em quase toda esquina tem lojinhas mais elaboradas com outras marcas igualmente mais elaboradas e um pouco mais caras. Se quiser ir na Sephora, não precisa fazer muito esforço, e quem já foi sabe o que é o paraíso da maquiagem, assim como são as lojas de departamentos, mil, com seus vastos pisos de beleza onde ficar tonta não é incomum.

Agora pensem no Brasil. Um exemplo simples: você, que quer ficar bonitinha mas não é fanática por maquiagem, precisa comprar um rímel. Você tem três opções. A primeira é escolher o de uma marca “high end”, que vai custar por volta de R$ 100 (U$ 20 em NY). Agora, se você vai gastar essa pequena fortuna só no rímel, vai acabar comprando ele e nada mais. E se por acaso estiver afim de montar uma singela nécessaire (vai, base, corretivo, lápis, rímel, sombra, batom e blush) não vai gastar menos do que R$ 500. Concorda que para gastar isso tudo você só vai escolher o básico do básico, aquilo que precisa usar todo dia e sabe que não vai ficar na gaveta? Sem contar que às vezes só para achar a tal marca já é um esforço.

Outra opção é escolher o de uma dessas marcas que vendem em farmácias mais power. Em NY, seria a mesma marca de farmácia, custando mais ou menos U$ 5, aqui, custa umas cinco vezes isso no mínimo. É comprável, claro, mas dá um pouco de raiva. E por último você pode escolher um bem barato porque precisa comprar e não está com dinheiro sobrando para gastar com esse tipo de coisa.

Agora, a maquiagem tem várias graças. Uma delas é estar voltando para casa e resolver, num impulso, comprar um novo lápis azul só pra experimentar, sem que isso signifique um rombo no orçamento. Veja bem, não é pensar “ai acho que hoje quero comprar um lápis azul só para experimentar, acho que vou ao shopping procurar”. A graça é poder comprar alguma coisa só porque ela está ali, tão fácil. Isso muda tudo, porque a pessoa pode não usar na hora, mas um dia, quem sabe, vai experimentar. E se gostar, maravilha, se não gostar, não vai ficar com aquele peso na consciência de ter gasto além da conta numa coisa inútil. Outra graça é ter o direito de ter 45 produtos de make, cada um de uma marca diferente. Isso, no Brasil, é impossível porque não temos opções suficientes.

Vejam bem, não estou dizendo que no Brasil não tem coisa em conta e de qualidade. O que incomoda é a dificuldade de achar, ou melhor, a pouca facilidade. Não está lá em cada esquina para qualquer uma. Avon e Natura, por exemplo, não têm loja. Isso faz muita diferença.

Sei também que os preços altos são culpa dos impostos absurdos. Perfume, minha gente, tem 100% de imposto de importação. A gente podia pagar metade. Todas essas coisas são para se pensar. Acredito na compra de maquiagens como uma coisa divertida, útil, fundamental. Espero que um dia este panorama mude. Até lá, vamos ter que continuar apelando até para as encomendas com quem viaja…